quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Contra o Tempo- Vander Lee (vídeo e letra)


Corro contra o tempo
Prá te ver
Eu vivo louco
Por querer você
Oh! Oh! Oh! Oh!
Morro de saudade
A culpa é sua...
Bares, ruas, estradas
Desertos, luas
Que atravesso
Em noites nuas
Oh! Oh! Oh! Oh!
Só me levam
Prá onde está você...
O vento que sopra
Meu rosto cega
Só o seu calor me leva
Oh! Oh! Oh! Oh!
Numa estrêla
Prá lembrança sua...
O que sou?
Onde vou?
Tudo em vão!
Tempo de silêncio
E solidão...(2x)
O mundo gira sempre
Em seu sentido
Tem a cor
Do seu vestido azul
Oh! Oh! Oh! Oh!
Todo atalho finda
Em seu sorriso nú...
Na madrugada
Uma balada soul
Um som assim
Meio que rock in roll
Oh! Oh! Oh! Oh!
Só me serve
Prá lembrar você...
Qualquer canção
Que eu faça
Tem sua cara
Rima rica, jóia rara
Oh! Oh! Oh! Oh!
Tempestade louca
No Saara....
O que sou?
Onde vou?
Tudo em vão!
Tempo de silêncio
E solidão...(2x)

sábado, 10 de setembro de 2011

Chico Buarque-Para todos (vídeo e letra)


O meu pai era paulista
Meu avô, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano
Meu maestro soberano
Foi Antonio Brasileiro
Foi Antonio Brasileiro
Quem soprou esta toada
Que cobri de redondilhas
Pra seguir minha jornada
E com a vista enevoada
Ver o inferno e maravilhas
Nessas tortuosas trilhas
A viola me redime
Creia, ilustre cavalheiro
Contra fel, moléstia, crime
Use Dorival Caymmi
Vá de Jackson do Pandeiro
Vi cidades, vi dinheiro
Bandoleiros, vi hospícios
Moças feito passarinho
Avoando de edifícios
Fume Ari, cheire Vinícius
Beba Nelson Cavaquinho
Para um coração mesquinho
Contra a solidão agreste
Luiz Gonzaga é tiro certo
Pixinguinha é inconteste
Tome Noel, Cartola, Orestes
Caetano e João Gilberto
Viva Erasmo, Ben, Roberto
Gil e Hermeto, palmas para
Todos os instrumentistas
Salve Edu, Bituca, Nara
Gal, Bethania, Rita, Clara
Evoé, jovens à vista
O meu pai era paulista
Meu avô, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano
Vou na estrada há muitos anos
Sou um artista brasileiro

Edu Lobo-Upa neguinho (vídeo e letra)


Patapatri tri tri tri tri
Tri Badabá!...(3x)
Upa, neguinho na estrada
Upa, pra lá e pra cá
Virge!
Que coisa mais linda!
Upa neguinho
Começando a andar
Começando a andar...
Upa, neguinho na estrada
Upa, pra lá e pra cá
Virge!
Que coisa mais linda!
Upa neguinho
Começando a andar
Começando a andar...
Começando a andar
E já começa apanhar...

Cresce, neguinho
E me abraça
Cresce e me ensina a cantar
Euuuuuuuu
Vim de tanta desgraça
Mas muito te posso ensinar
Mas muito te posso ensinar...

Capoeira!
Posso ensinar
Ziquizira!
Posso tirar
Valentia!
Posso emprestar
Mas liberdade
Só posso esperar...
Patapatri tri tri tri tri
Tri Badabá!...(3x)
(Repetir a letra)

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Chico Buarque e Milton Nascimento-Cálice (vídeo e letra)


Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue
Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor e engolir a labuta?
Mesmo calada a boca resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa?
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue
Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada, prá a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue
De muito gorda a porca já não anda (Cálice!)
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, Pai, abrir a porta (Cálice!)
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade?
Mesmo calado o peito resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
Pai! Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue
Talvez o mundo não seja pequeno (Cale-se!)
Nem seja a vida um fato consumado (Cale-se!)
Quero inventar o meu próprio pecado (Cale-se!)
Quero morrer do meu próprio veneno (Pai! Cale-se!)
Quero perder de vez tua cabeça! (Cale-se!)
Minha cabeça perder teu juízo. (Cale-se!)
Quero cheirar fumaça de óleo diesel (Cale-se!)
Me embriagar até que alguém me esqueça (Cale-se!)

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Pra Você Silvio César (vídeo e letra)


Pra você eu guardei
um amor infinito
Pra você procurei o lugar mais bonito
Pra você eu sonhei o meu sonho de paz
Pra você me guardei demais,demais
Se você não voltar o que faço da vida
Não sei mais procurar a alegria perdida
Eu nemsei bem por que terminou tudo assim
Ah!se eu fosse você eu voltava pra mim.
Sílvio Rodrigues Silva (Raul Soares, 14 de agosto de 1939), mais conhecido como Sílvio César, é um cantor e compositor brasileiro.
Foi crooner do Conjunto de Ed Lincoln, no início dos anos 1960. Participou, em 1965, do filme Na Onda do Iê-iê-iê, no papel de César Silva, contracenando com Renato Aragão e Dedé Santana.

Silvio Cesar-Levante os olhos (vídeo e letra)


Levante os olhos
Olhe de frente pra ela
Olhe bem dentro dos olhos
E veja tudo o que dizem.

A verdade às vezes dói
Mas e por que você constroi
O mundo só de sonhos
E de medo.

Meu irmão se você quer
Ganhar o amor de uma mulher
Procure nos seus olhos os segredos.

Levante os olhos
Olhe de frente pra ela
Olhe bem dentro dos olhos
E veja tudo o que dizem.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Tim Maia-Bons momentos (vídeo e letra)


Bons momentos eu passei
Fui feliz ao lado teu

Sabe aquela foto que eu te dei ficou aqui comigo

Foi tão bom você deixar
Faz lembrar as nossas juras de amor

Você nunca mais ligou
Foi tão triste te perder

Sabe aquele brilho dos meus olhos
Existe até hoje

E é bom você lembrar
Que ninguém te amou com tanta emoção

Se eu errei
Deixe tentar novamente
Eu só quero teu amor

A vida é engraçada
Eu sei que o amor valeu
Tá na cara que você não me esqueceu

Você nunca mais ligou
Foi tão triste te perder

Sabe aquele brilho dos meus olhos
Existe até hoje e é bom você lembrar

Que ninguém te amou
Com tanta emoção

Se eu errei
Deixe tentar novamente

Eu só quero teu amor
A vida é engraçada

Eu sei que o amor valeu
Tá na cara que você

Não me esqueceu
A vida é engraçada

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Originais do Samba-A corda e a caçamba (biografia)


Os Originais do Samba é um grupo brasileiro de samba formado na década de 1960 no Rio de Janeiro por ritmistas de escolas de samba.
História
O grupo começou a se apresentar em teatros e show, incluindo o palco do Copacabana Palace, onde realizou o espetáculo "O Teu Cabelo Não Nega".
Fixaram-se em São Paulo depois de excursionar pelo México, e em 1968 acompanharam Elis Regina na música vencedora da I Bienal do Samba, Lapinha, de Baden Powell e P.C. Pinheiro. No ano seguinte gravaram a música "Cadê Teresa", de Jorge Ben, que fez grande sucesso. Participaram de festivais e ganharam discos de ouro pela vendas de suas gravações, principalmente nos anos 1970, combinando o canto uníssono, a roupa padronizada e boa dose de humor.
Um dos integrantes do grupo, Mussum, sairia para formar Os Trapalhões ao lado de Renato Aragão, Mauro Gonçalves e Dedé Santana.
Tocaram com grandes nomes da música brasileira, como Alex Luiz, Armando Geraldo, Jair Rodrigues, Vinicius de Moraes e mundial, como Earl Grant.
Excursionaram pela Europa e Estados Unidos, e foram o primeiro conjunto de samba a se apresentar no Olympia de Paris.
Alguns de seus maiores sucessos são Tá Chegando Fevereiro (Jorge Ben/ João Melo), Do Lado Direito da Rua Direita (Luiz Carlos/ Chiquinho), A Dona do Primeiro Andar, O Aniversário do Tarzan, Esperanças Perdidas (Adeilton Alves/ Délcio Carvalho), E Lá se Vão Meus Anéis (Eduardo Gudin/ P.C. Pinheiro), Tragédia no Fundo do Mar (Assassinato do Camarão) (Zeré/ Ibrahim), Se Papai Gira (Jorge Ben), Nego Véio Quando Morre.
Em 1997 gravaram um CD comemorativo pelos 30 anos de carreira; em 2000 gravaram o 1° CD Ao Vivo com convidados como Almir Guineto, Carlos Dafé, Joãozinho Carnavalesco, Dhema, entre outros, tendo como sucesso a releitura de "A Subida do Morro" com a participação do Rapper Xis; em 2003 gravaram um CD focado no Sambarock regravando os principais sucessos do grupo; em 2008 com recursos próprios lançaram o CD "A Corda Arrebenta e o Samba não Cai" com 15 músicas inéditas e 2 regravações. Atualmente continuam se apresentando no Brasil.

domingo, 4 de setembro de 2011

Zimbo Trio-Morro velho biografia

Zimbo Trio é um trio instrumental brasileiro surgido no ano de 1964 e formado originariamente por Amilton Godoy ao piano, Luíz Chaves no contrabaixo e Rubinho Barsotti na bateria. Luíz Chaves faleceu em 2007. Biografia O Zimbo Trio foi formado em março de 1964 em São Paulo por Luíz Chaves Oliveira da Paz "Luíz Chaves"(contrabaixo), Rubens Alberto Barsotti "Rubinho"[2] (bateria) e Amilton Godoy [3] (piano). A primeira apresentação como Zimbo Trio foi na Boate Oásis, em 17 de março de 1964, acompanhando a cantora Norma Bengell. O show foi produzido por Aloysio de Oliveira. Uma das músicas tocadas foi "Consolação" de Baden Powell e Vinicius de Moraes. Em 1965, o Zimbo Trio passou a fazer acompanhamento fixo do programa O Fino da Bossa, da TV Record, apresentado por Elis Regina e Jair Rodrigues, um dos mais importantes na divulgação de novos talentos musicais. Em 1968, o Zimbo Trio participou de um show antológico no Teatro João Caetano que reuniu Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim e o conjunto Época de Ouro. O fruto deste encontro foi o registro de dois volumes gravados ao vivo. Em 1973, o trio juntamente com o baterista João Rodrigues Ariza "Chumbinho" fundaram, em São Paulo, o Centro Livre de Aprendizagem Musical - CLAM, voltado para a formação musical ampla, sem separação entre erudito e popular. A Escola de música dirigida pelo Zimbo Trio formou gerações de músicos. Em 2007 faleceu o contrabaixista Luíz Chaves, um dos fundadores do Zimbo Trio. Itamar Collaço (baixo elétrico) ficou encarregado de levar adiante o legado do músico ao substituí-lo. Com a entrada de Itamar o Zimbo Trio introduziu o baixo elétrico. Em 2010 o contrabaixo acústico voltou ao trio com a entrada de Mario Andreotti que substituiu Itamar Collaço. Atualmente o Zimbo Trio é formado por Amilton Godoy (piano), Mario Andreotti (contrabaixo) e Pércio Sápia (bateria) que divide o palco com seu mestre Rubinho Barsotti, que se recupera de uma cirurgia. Em uma nova fase, o trio, que em alguns shows atua como um quarteto, apresenta um repertório autoral baseado em composições do pianista Amilton Godoy, trabalho registrado em CD e DVD em show ao vivo realizado em novembro de 2010 no Teatro Fecap com show de lançamento em maio de 2011 no Auditório Ibirapuera. Com mais de 45 anos de carreira e 51 discos gravados, o Zimbo Trio conquistou reconhecimento mundial, excursionando por países dos 5 continentes, divulgando a música instrumental brasileira. Zimbo foi o nome que os integrantes escolheram para designar o trio. O termo Zimbo, retirado do dicionário afro-brasileiro, significa boa sorte, felicidade e sucesso. Zimbo era também uma antiga moeda que circulava no Congo e em Angola.No Brasil colonial o Zimbo era uma dentre tantas moedas africanas que circulavam na colônia. Discografia Zimbo Trio (1965) O fino do Fino – Elis Regina e Zimbo Trio (1965) Philips LP, CD Zimbo Trio-vol. II (1966) RGE LP Zimbo Trio-vol. III (1967) LP É tempo de samba - Zimbo Trio + Cordas (1968) LP Ao vivo no Teatro João Caetano-vol. I – Elizeth Cardoso, Zimbo Trio, Jacob do Bandolim e Época de Ouro (1968) Museu da Imagem e do Som LP, CD Ao vivo no Teatro João Caetano-vol. II - Elizeth Cardoso, Zimbo Trio, Jacob do Bandolim e Época de Ouro (1968) Museu da Imagem e do Som LP, CD Zimbo Trio + Cordas-vol. II (1969) LP Decisão-Zimbo Trio + Metais (1969) RGE LP Elizeth e Zimbo Trio balançam na Sucata (1969) Copacabana LP, CD É de manhã. Elizeth Cardoso e Zimbo Trio (1970) Copacabana LP Strings and brass plays the hits (1971) Phonogram LP Opus pop - Zimbo Trio e orquestra-Clássicos com bossa (1972) Phonogram LP Opus pop nº 2 (1973) Phonogram LP FM Stéreo (1974) Phonogram LP Zimbo (1976) RGE LP Fragmentos inéditos do histórico recital realizado no Teatro João Caetano em 19 de fevereiro de 1968 - Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Época de ouro-vol. 3 (1977) Museu da Imagem e do Som LP, CD Zimbo (1978) CLAM/Continental LP Zimbo convida Sonny Stitt (1979) Clam/Continental LP Zimbo convida Sebastião Tapajós (1982) Clam LP Zimbo convida (1982) Clam LP Trocando em miúdos a tristeza do Jeca (1983) Clam/Continental LP Zimbo Trio interpreta Milton Nascimento (1986) Clam/Continental LP Zimbo Trio e O Tom – Vol. I (1988) Clam LP Zimbo Trio e as crianças (1989) Clam LP Clã do Clam (1992) CD Instrumental no CCBB – Canhoto da Paraíba e Zimbo Trio (1993) Tom Brasil CD Aquarela do Brasil (1993) Movieplay CD Entre amigos/Claudya & Zimbo Trio (1994) Movieplay CD Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, Zimbo Trio e Época de Ouro-Ao vivo no Teatro João Caetano-19 fev' 68 (1994) Tartaruga (Japão) CD Caminhos cruzados - Zimbo Trio interpreta Tom Jobim (1995) Movieplay CD Brasil musical - Série Música Viva - Zimbo Trio e Maurício Einhorn (1996) Tom Brasil CD Zimbo Trio (1997) RGE CD 35 anos (1999) Movieplay CD A música brasileira deste século por seus autores e intérpretes - Zimbo Trio (2001) Sesc-SP CD Zimbo Trio Autoral (2010) Ao Vivo no Teatro Fecap-SP CD DVD

Banda de Boca (biografia)

Banda de Boca é um grupo vocal brasileiro da Bahia, formado em 1999. Começou como sexteto e a partir de 2005 definiu-se como quinteto. Os integrantes são: Hiran Monteiro, Neto Moura, Poliana Monteiro, Arno Hübner e Fábio Eça. A principal característica da Banda de Boca é o canto a capella, isto é, sem instrumentos, e com ênfase na reprodução do som de instrumentos musicais com a voz. Em 2002 o grupo alcançou o 2º lugar no Prêmio VISA edição vocal e passou a ganhar reconhecimento em todo o Brasil. A Banda de Boca tem sido reconhecida e elogiada por renomados artistas musicais do País, que impressionados com a qualidade musical do grupo passaram a requisitá-la para participar de seus shows e gravações. O grupo já participou de shows de estrelas nacionais como Tom Zé, Nando Reis, Paulinho Moska, Edson Cordeiro, Margareth Menezes, gravou com Caetano Veloso, Daniela Mercury e também Carlinhos Brown. A Banda de Boca mostra influências de outros grupos vocais, brasileiros e estrangeiros, como Boca Livre, Os Cariocas, Take 6, The Real Group, The Singers Unlimited, Vox One, Vocal Sampling e outros. Ainda assim, desenvolveu um estilo de arranjos bem particular e sofisticado, diferenciando-se de outros grupos brasileiros. Em 2010 o grupo foi indicado ao Grammy Latino na categoria disco infantil pelo cd "MPB pras Crianças"