sábado, 30 de junho de 2012

Beth Carvalho (biografia)

Elizabeth Santos Leal de Carvalho, mais conhecida como Beth Carvalho (Rio de Janeiro5 de maio de 1946), é uma cantora ecompositora brasileira de samba. Desde que começou a fazer sucesso, na década de 1970, Beth se tornou uma das maiores intérpretes do gênero, ajudando a revelar nomes como Luiz Carlos da VilaJorge AragãoZeca PagodinhoAlmir Guineto, o grupoFundo de Quintal e Arlindo Cruz

Beth é filha de João Francisco Leal de Carvalho e Maria Nair Santos Leal de Carvalho. Tem uma única irmã, chamada Vânia Santos Leal de Carvalho. Decidiu seguir a carreira artística após ganhar um violão da mãe.[3] Aos oito anos, ouvia emocionada as canções de Sílvio CaldasElizeth Cardoso e Aracy de Almeida, grandes amigos de seu pai, que era advogado. Sua avó, Ressú, tocava bandolim e violão. Sua mãe tocava piano clássico. Sua irmã Vânia cantava e gravou discos de samba.
Beth fez balé por toda infância e na adolescência estudou violão, numa escola de música. Seguindo essa área, se tornou professora de música e passou a dar aulas em escolas locais. Morou em vários bairros do Rio e seu pai a levava com regularidade aos ensaios das escolas e rodas de samba, onde ela dançava em apresentações. Nas festas e reuniões musicais com seus amigos, na anos 60, surgia a cantora Beth Carvalho, influenciada por tudo isso e pela Bossa Nova, ritmo que ela passou a gostar, escrevendo letras e cantando.
Em 1964, seu pai foi cassado pelo golpe militar por ter pensamentos de esquerda. Para segurar a barra pesada que sua família enfrentou durante a ditadura, Beth voltou a dar aulas de violão, dessa vez para 40 alunos. Graças à formação política recebida de seus pais, Beth Carvalho é uma artista engajada nos movimentos sociais, políticos e culturais brasileiros e de outros povos. Um exemplo recente foi a conquista, ao lado do cantor Lobão e de outros companheiros da classe artística, de um fato que até então era inédito no mundo: A numeração dos discos.
Em 1979, Beth se casou com Édson de Souza Barbosa, craque do futebol brasileiro, que participou da Copa do Mundo de 1966. Desde aquela época até hoje é um grande amante do samba. No dia 22 de Fevereiro de 1981 nasceu sua primeira e única filha, Luana, nome escolhido pelo pai. Hoje, Luana Carvalho é atriz e cantora, se espelhando no sucessos de sua mãe. Em entrevistas, Beth confessou que ser mãe foi e é a coisa mais importante que já aconteceu em sua vida. Poucos anos após o nascimento da fiha, separou-se do marido. Depois dele, casou-se outras vezes e teve novos namorados.
A carreira de Beth Carvalho se originou na Bossa nova. No início de 1968 participou no movimento Música nossa, que foi fundado pelo jornalista Armando Henrique, e pelo hoje, maestro Hugo Bellard. Os espetáculos eram realizados no Teatro Santa Rosa, em Ipanema, onde teve a oportunidade de gravar uma das suas canções "O Som e o Tempo", nolongplay do Música nossa.
Nesta época ela gravou com o cantor Taiguara, pela gravadora Emi-Odeon.
Em 1965, gravou o seu primeiro compacto simples com a música “Por quem morreu de amor”, de Menescal e Bôscoli. Em 66, já envolvida com o samba, participou do show “A Hora e a Vez do Samba”, ao lado de Nelson Sargento e Noca da Portela.
Vieram os festivais e Beth participou de quase todos: Festival Internacional da Canção (FIC), Festival Universitário, Brasil Canta no Rio, entre outros. No FIC de 68, conquistou o 3º lugar com “Andança”, de Edmundo SoutoPaulinho Tapajós e Danilo Caymmi, e ficou conhecida em todo o país. Além de seu primeiro grande sucesso, “Andança” é o título de seu primeiro LP lançado no ano seguinte.
A partir de 73, passou a lançar um disco por ano e se tornou sucesso de vendas, emplacando vários sucessos como “1.800 Colinas”, “Saco de Feijão”, “Olho por Olho”, “Coisinha do Pai”, “Firme e Forte” e “Vou Festejar”.
Beth Carvalho é reconhecida por resgatar e revelar músicos e compositores do samba. Em 72, buscou Nelson Cavaquinho para a gravação de “Folhas Secas” e em 75, fez o mesmo com Cartola, ao lançar “As Rosas Não Falam”.
Diz o poeta que todo artista tem de ir onde o povo está. Esses versos, além de grande verdade, definem com rara precisão a atitude de Beth Carvalho diante da vida. Beth é inquieta. Não espera que as coisas lhe cheguem, vai mesmo buscar. Pagodeira, conhece a fertilidade dos compositores do povo e, mais do que isso, conhece os lugares onde estão, onde vivem, onde cantam, como cantam e como tocam.
Frequentadora assídua dos pagodes, entre eles os do Cacique de Ramos, Beth Carvalho revelou artistas como o grupo Fundo de QuintalZeca PagodinhoAlmir Guineto, Sombra,SombrinhaArlindo CruzLuis Carlos da VilaJorge Aragão e muitos outros. Por essa característica, Beth ganhou a alcunha de "Madrinha do Samba". Mais do que isso, a cantora trouxe um novo som ao samba, porque introduziu em seus shows e discos instrumentos como o banjo com afinação de cavaquinho, o tan-tan e o repique de mão, que até então eram utilizados exclusivamente nos pagodes do Cacique.
A partir daí, esta sonoridade se proliferou por todo o país e Beth passou a ser chamada de Madrinha do Pagode. Sambista de maior prestígio e popularidade do Brasil, é aclamada também como Diva dos Terreiros e Rainha do Samba.
Até aqui, são 42 anos de carreira, 31 discos, 2 DVDs e apresentações em diversas cidades do mundo: AngolaAtenas (onde representou o Brasil no festival “Olimpíada Mundial da Canção” em um teatro de arena construído há 400 anos a.C. Hoje, Beth tem um busto na Grécia), BerlimBoston (na Universidade de Harvard), Buenos Aires (no Luna Park projeto “Sin Fronteiras” da cantora e amiga Mercedes Sosa), Espinho, FrankfurtMuniqueJohannesburgoLisboa (no show do jornal comunista “Avante”, para um público de 300 mil pessoas), LobitoLuandaMadriMiamiMontevidéuMontreux (onde participou do famoso festival em 87, 89 e 2005), NiceNew JerseyNova York (no Carnegie Hall), Newark,ParisPunta del EsteSão FranciscoSowetoVaradero (Cuba), ZuriqueMilãoPadovaToulouse e Viena.
No Japão, embora nunca tenha feito shows, vende milhares de cópias de CDs e tem sua carreira musical incluída no currículo escolar da Faculdade de Música de Kyoto.
Beth Carvalho tem 6 Prêmios Sharp, 17 Discos de Ouro, 9 de Platina, 1 DVD de platina, centenas de troféus e premiações diversas.
Em 1984, foi enredo da Escola de Samba Unidos do Cabuçu, “Beth Carvalho, a enamorada do samba”, com o qual a escola foi campeã e subiu para o Grupo Especial. Como oSambódromo foi inaugurado neste mesmo ano, Beth e a Cabuçu foram as primeiras campeãs do Sambódromo. Dentre todas as homenagens já feitas à grande cantora, Beth considera esta, a maior de todas. E declara: “Não existe no mundo, nada mais emocionante do que ser enredo de uma escola de samba. É a maior consagração que um artista pode ter”. Em 85, Beth foi enredo novamente. Dessa vez, da escola de samba Boêmios de Inhaúma.
Em 1997, viu a música “Coisinha do Pai”, grande sucesso de seu repertório, ser tocada no espaço sideral, quando a engenheira brasileira da Nasa Jacqueline Lyra, programou para ‘acordar’ o robô em Marte.
Beth Carvalho gravou o 25º disco, “Pagode de Mesa” ao vivo, em apresentação na gravadora Universal Music. Max Pierre, diretor artístico da Universal, traduziu o que ela costuma fazer sempre: cantar o samba de raiz em torno das mesas de quintais, terreiros e quadras, nos pagodes que reúnem os melhores partideiros, músicos e poetas do gênero.
Embora Mangueirense de coração, Beth foi homenageada pela Velha Guarda da Portela, com uma placa alusiva ao fato de ser a cantora que mais gravou seus compositores.
Em junho de 2002, recebeu das mãos de D. Zica, viúva de Cartola, o Troféu Eletrobrás de Música Popular Brasileira. A entrega desse Troféu, realizada no Teatro Rival do Rio de Janeiro, tornou-se, com Beth Carvalho, um recorde de bilheteria da casa.
Carioca da gema e amiga de Cuba, foi solicitada pela presidência da Câmara Municipal do Rio de Janeiro para entregar a Fidel Castro, o título de Cidadão Honorário da cidade.
Seu 26º disco, “Pagode de Mesa 2”, concorreu ao Grammy Latino na categoria melhor disco de samba. O 27° foi o CD “Nome Sagrado – Beth Carvalho canta Nelson Cavaquinho”, seu compositor preferido, com participação do afilhado Zeca Pagodinho, Wilson das Neves, Guilherme de Brito (parceiro mais constante de Nelson). Este projeto foi tirado de uma gravação caseira do arquivo de Beth e vendido em bancas de jornal. A cantora obteve grande repercussão pela ousadia da empreitada e concorreu ao Prêmio TIM de Música Brasileira como melhor disco de samba.
Seu 28° CD, “Beth Carvalho canta Cartola“, foi uma compilação idealizada pelo jornalista e grande fã de Beth, Rodrigo Faour. Beth foi a intérprete preferida de Cartola e responsável pela volta desse grande mestre à mídia.
Em 2004, a cantora gravou seu primeiro DVD “Beth Carvalho, a Madrinha do Samba”, que lhe rendeu um disco de Platina. O CD que saiu junto foi disco de ouro e indicado ao Grammy Latino de 2005 como melhor álbum de samba.
Depois de lançar este trabalho com sucessos acumulados ao longo dos anos, em 2005 Beth Carvalho seguiu em turnê internacional, fechada com chave de ouro no Festival de Montreux, exatamente 18 anos após sua primeira apresentação na Suíça. Este registro será lançado em DVD pela gravadora Eagle, com distribuição na Europa, Japão, EUA eBrasil. A turnê mostrou sua força em números: mais de 10 mil pessoas assistiram ao show em Toulouse, na França, platéia lotada no Herbst Theatre, em São Francisco e lotação esgotada em Los Angeles.
Em dezembro do mesmo ano, a cantora abriu o Theatro Municipal do Rio de Janeiro para celebrar o Dia Nacional do Samba e seus 40 anos de carreira. O show antológico, que reuniu grandes sambistas da atualidade, como Dona Ivone LaraMonarco, Nelson Sargento, Zeca Pagodinho, Dudu Nobre, entre outros, foi lançado em CD/DVD no fim de 2006, inaugurando seu próprio selo “Andança”.
Em 2007, a cantora lançou também pelo selo Andança, o CD/DVD “Beth Carvalho canta o Samba da Bahia”, com um repertório de sambas de compositores baianos, de diferentes gerações. O DVD foi gravado pela Conspiração Filmes em agosto de 2006, no Teatro Castro Alves, em Salvador. Entre os convidados , estavam Gilberto GilMaria Bethânia,Caetano VelosoMargareth MenezesCarlinhos BrownDaniela MercuryIvete SangaloOlodumRiachão, Danilo Caymmi, entre outros. O DVD traz ainda um histórico documentário sobre o samba de roda da Bahia.
 Em 2013 recebe homenagem da escola de samba paulistana Acadêmicos do Tatuapé com o enredo "Beth Carvalho, a madrinha do samba".

quinta-feira, 28 de junho de 2012

MPB 4 (biografia)










  • MPB4 é um grupo vocal e instrumental brasileiro formado em NiteróiRio de Janeiro, a partir de 1965. A primeira formação contou com Miltinho (Milton Lima dos Santos FilhoCampos dos Goytacazes18 de outubro de 1943), Magro (Antônio José Waghabi Filho,ItaocaraRJ14 de novembro de 1943), Aquiles (Aquiles Rique ReisNiteróiRJ22 de maio de 1948) e Ruy Faria (Ruy Alexandre FariaCambuciRJ31 de julho de 1937).
    Em 2004, Ruy Faria sai do quarteto e inicia a formação atual, com os três integrantes remanescentes e Dalmo Medeiros (Rio de JaneiroRJ26 de novembro de 1951), ex-integrante do grupo Céu da Boca, convidado para ficar em seu lugar.
    Seus principais gêneros musicais cantados são o samba e o MPB. Com um repertório marcado por composições de personalidades da Música Popular Brasileira, como por exemplo Noel RosaMilton NascimentoChico BuarqueJoão BoscoPaulo César PinheiroAldir Blanc, o grupo apresenta-se em todo o Brasil, com sucesso de público e de crítica.

    A formação do grupo ocorreu em meados de 1964, quando Aquiles, Magro, Ruy e Miltinho integravam o Centro Popular de Cultura, afiliado à União Nacional dos Estudantes - UNE. Magro e Miltinho eram estudantes do 3º ano de Engenharia da Universidade Federal Fluminense - UFF. Ambos tinham formação musical iniciada desde criança; Miltinho aprendeu violão na adolescência com o instrumentista Jodacil Damasceno e Magro havia participado da Sociedade Musical Patápio Silva, além de ter aprendido teoria musical com Eumir Deodato e Isaac Karabtchevisk.
    Ruy tinha acabado de se graduar em Direito pela mesma universidade e era escriturário da antiga agência do Instituto de Assistência e Previdência Social - IAPS. Ao mesmo tempo, trabalhava na noite carioca em dois grupos vocais e tinha sido ''crooner'' em Santo Antônio de PáduaRio de Janeiro. Aquiles era estudante secundarista e participava do coral de uma escola estadual de Niterói. De família católica, aos 17 anos, resolveu seguir carreira musical com os outros três integrantes.
    Cada um dos integrantes tem um gosto musical diferenciado, embora eles eram influenciados pelo grupo vocal Os Cariocas. Miltinho, desde a adolescência, curtia música americana e bossa nova com os grupos Os Cariocas e Tamba Trio. Aquiles, ao mesmo tempo que tinha preferência pelo Trio Irakitan, era fã de Elvis Presley. Magro gostava d
    Em 1965, resolveram ser músicos profissionais e viajam para São Paulo. Já tinham gravado o compacto simples "Samba Bem", em 1964, pelo selo Elenco. No início, os quatro rapazes passaram por dificuldades, pois já haviam trilhado carreiras promissoras na época e seus familiares lamentaram a decisão tomada, embora não tenham enfrentado tamanhas resistências. Além disso, Aquiles era menor de idade e seu pai desejava emancipá-lo. Entretanto, tal procedimento era demorado e Ruy Faria tornou-se seu tutor. A passagem da adolescência para a vida adulta foi abrupta para Aquiles, segundo o relato de Ruy Faria, pois foi comparada à troca da Coca-Cola por cerveja.
    Lá, entram em contato com artistas recém-lançados na época, como Chico BuarqueNara LeãoSidney MillerQuarteto em Cy, entre outros. Desde o início do grupo, tornam-se ativistas de uma nova proposta, a de uma música brasileira mais popular a todos os que escutarem, de forma que sejam exaltados o povo brasileiro e seus costumes e, principalmente, a crítica à situação política do país, imerso na Ditatura Militar. Desta maneira, entraram em seu repertório as músicas de protesto e sambas.
    A parceria com Chico Buarque iniciou-se nesta viagem e durou aproximadamente dez anos. Durante este período, o MPB4 firmou sua musicalidade e acompanhava-o em suas apresentações como escudeiro musical, com boas interpretações das composições de Chico, que já foi considerado como o "quinto integrante de um quarteto". Um dos maiores destaques nesta década são as músicas "Quem te viu, quem te vê" e "Roda Viva", ambas de 1967. Além disso, ganharam espaço também nos famosos festivais de música, produzidos pela Rede Record.
    Em 1966, foi lançado o primeiro LP do grupo, com o título "MPB4". O destaque vai para as músicas "Lamento", "Teresa Tristeza". Em 1967, foi lançado outro trabalho, com as músicas "Quem te viu, quem te vê", "Brincadeira de Angola", "Cordão da Saideira" e "Gabriela", que ficou em 6º lugar no III Festival da Música Popular da Rede Record.
    Em 1968, lançam mais um LP com o mesmo título do grupo. Desta vez, a novidade é que cada integrante do grupo tem autonomia sobre uma faixa, como explicou Magro no programa Ensaio, de 1973. Aquiles cantou a música "Estrela é Lua Nova" com o coral da Escolal Municipal de Niterói, onde estudou. Miltinho estréia como compositor na faixa "Vim pra ficar". Entretanto, apesar das inovações do grupo, o disco não obteve o reconhecimento esperado.
    Ao mesmo tempo, os quatro rapazes enfrentavam dificuldades financeiras e a marca ferrenha da Censura, apesar de serem requisitados para apresentações nos palcos e na televisão. Além disso, em 1968, Chico Buarque vai á Itália para se proteger da Ditadura Militar. Sem seu parceiro, o grupo perdeu o norte e seus integrantes quase desistiram da carreira. O MPB4 tinha seus espetáculos encerrados a qualquer tempo pela Censura. Para dribá-la, os quatro integrantes tinham truques para enganar os censores, além de negociar as letras das músicas, prática que continuaria na década seguinte.
    A composição vocal do MPB4 até 1968 era: Ruy, 1ª voz; Magro, 2ª; Miltinho, 3ª; e Aquiles, 4ª voz. A partir de então, quando Aquiles estudou belcanto (impostação vocal), sua professora discordou da sua posição nas vozes do quarteto e sugeriu a troca das posições vocais. Então, Miltinho, ficou com a 4ª voz, e Aquiles, com a 3ª. A troca permanece até hoje e percebe-se que a sonoridade das vozes ficou harmônica.

    Em 1970, o MPB4 lança o LP "Deixa Estar", um dos marcos principais da carreira do quarteto. O destaque principal é a música "Amigo é pra essas coisas", de Aldir Blanc eSílvio da Silva Júnior, que reflete também o espírito do quarteto em enfrentar dificuldades juntos. Como Chico Buarque ainda não estava no Brasil, a música foi uma espécie de "independência" ao parceiro, pois eles não seriam vistos mais como "Porta-voz do Chico", mas um quarteto vocal com personalidade própria. Outros destaques são "Candeias", com o primeiro arranjo vocal de Miltinho, "Boca do Mota", de Milton Nascimento e "Derramaro o Gai".
    Em 1971, foi lançado o LP "De Palavra…Em Palavra....", que consolida o estilo do trabalho anterior. Destacam-se as músicas "Cravo e Canela", de Milton Nascimento, "O Cafona", Marcos Valle, "Eu chego lá", de Ataulfo Alves, "De Palavra…Em Palavra…", de Miltinho e Magro e "Pois é, pra quê", de Sidney Miller.
    A parceria com Chico Buarque continua firme até meados desta década. Ele e o quarteto viajaram para alguns países, como Argentina e Portugal. As marcas da resistência e contestação contra o Governo Militar continuam firmes nos trabalhos do quarteto, mesmo que eles tenham seus espetáculos encerrados arbitrariamente e buscado negociações em Brasília. A questão financeira também seria complicada para o MPB4, como explica Ruy Faria, em entrevista concedida à jornalista Rosa Minine. Para custear as apresentações, eles pegavam empréstimos aos bancos e, mesmo assim, corriam o risco de ter o investimento perdido com um simples ato da Censura. Mesmo alcançando sucesso de crítica e público, o sossego contra as perseguições viria a partir de 1979, ano da Lei da Anistia.
    O ano de 1972 foi importante para o MPB4, pois é lançado o LP Cicatrizes, considerado como um dos trabalhos mais promissores. Miltinho destaca-se como compositor da música-título, com a parceria do jovem Paulo César Pinheiro. Os arranjos instrumental e vocal de Magro tornam-se mais ousados, com destaque para as músicas "Agiboré", "San Vicente", "Partido Alto" de Chico Buarque, "Pesadelo" e "Agiboré".
    Nos anos 1970, participaram de espetáculos históricos, tais como Construção (1971), Phono 73 (1973), MPB-4 no Safári (1975) e Cobra de Vidro (1978). Além disso, lançam discos que consolidam a carreira do quarteto vocal, tais como De Palavra em Palavra, (1971), Cicatrizes (1972), Canto dos Homens (1976) e Cobra de Vidro (1978), entre outros trabalhos de sucesso de crítica e público.
  • Nos anos 1980, lançaram dois trabalhos infantis Flicts (com o Quarteto em Cy, em 1980) e Adivinha o que é (1981), além da participação no especial da Globo, Arca de Noé, com a música 'O Pato'. Outro trabalho de destaque é o disco "Amigo é Pra Essas" Coisas (1989), com a participação dos filhos dos integrantes do MPB-4 na banda de acompanhamento.
  • Nos anos 1990, lançaram discos importantes e com grande aceitação de crítica e de público, como Samba da Minha Terra (1991). Os primeiros discos do grupo, ao vivo, foram A Arte de Cantar ao Vivo (1995) e Melhores Momentos (1999). Continuam com a parceria com o grupo Quarteto em Cy em Bate-Boca (1997) e Somos Todos Iguais (1998).
  • Em (2000), o quarteto lança dois trabalhos, um deles com o Quarteto em Cy, Vinícius e a Arte do Encontro. Em (2004), Ruy Faria sai do grupo e Dalmo Medeiros torna-se integrante do MPB4. Em 2006, é lançado o DVD "MPB-4 40 Anos", com a participação de Chico BuarqueMilton NascimentoCauby PeixotoRoberta Sá, entre outros artistas consagrados. Em 2008, o grupo gravou, junto com Toquinho, CD e DVD ao vivo, lançados pela Biscoito Fino. Em 2011 é lançado, pela Biscoito Fino, o CD Contigo Aprendi, com versões inéditas para o português feitas por diversos compositores brasileiros, para grandes boleros.
  • Hoje, Dalmo Medeiros ocupa a posição vocal do Ruy Faria, que é a 1ª voz;
  • Um dos jurados da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) que participou da votação para eleger o MPB4 como melhor Conjunto Vocal, em 1972, foi o jornalistaMaurício Kubrusly;
  • Em 2007, Ruy Faria obtém seu registro na Ordem dos Advogados do Brasil - OAB, após 43 anos de formado. Ele estudou Direito pela Universidade Federal Fluminense - UFF e abdicou da carreira de advogado para seguir com o grupo. Hoje, trabalha também como advogado em um conceituado escritório do Rio de Janeiro;
  • Mesmo fora das atividades do grupo, seus integrantes continuam realizando atividades paralelas com grande versatilidade. Magro é um dos mais requisitados arranjadores instrumentais e vocais de vários artistas e mantém um bar no bairro de Botafogo, Rio de Janeiro. Aquiles é escritor, colunista de dois jornais, e mantém um programa de rádio semanal "O Gogó de Aquiles". Miltinho é empresário do grupo e de alguns outros artistas, além de ser convidado como instrumentista para participar de discos com outros artistas. Dalmo Medeiros envereda pelo lado comunicador, divulgando as atividades do grupo no site oficial e no Orkut, além de ser produtor de outros artistas;
  • Dalmo Medeiros é sobrinho de Cauby Peixoto, que participou do DVD MPB-4 Quarenta Anos ao Vivo (2007). A música cantada foi Conceição, um dos maiores sucessos de Cauby;
  • Dalmo Medeiros participou do grupo 'Céu da Boca' e trabalhou também no LP de Kleiton e Kledir, na música 'Navega Coração' (1981). Além disso, ele é graduado emJornalismo e História;
  • Os filhos dos integrantes do MPB-4 acompanham seus pais em excursões e gravações de trabalhos. Marcos Feijão, filho de Miltinho, na percussão e bateria; Pedro Reis, filho de Aquiles, no bandolim e guitarra; João Faria, filho de Ruy, no baixo;
  • Na contracapa do disco "Adivinhe o que é" (1981), podemos encontrar as fotografias de cada integrante do grupo, quando eles eram crianças. Existe também uma grande fotografia do quarteto, reunido com os seus filhos;
  • Ruy Faria grava seu primeiro trabalho, após seu desligamento do grupo, com Carlinhos Vergueiro, intitulado "Só Pra Chatear"(2005);
  • Em Abril de 2008, Ruy Faria adapta e dirige o espetáculo musical "Calabar", de Chico Buarque e Rui Guerra, no Teatro Niemeyer, Niterói;
  • Em 1982, Aquiles foi eleito presidente do Sindicato dos Músicos do Rio de Janeiro. Em 1985, ainda no sindicato, organizou a produção e o lançamento do compacto simples "Nordeste Já", reunindo vários artistas brasileiros cantando duas músicas. O sucesso foi muito grande e o dinheiro arrecadado foi para auxiliar cidades mais pobres da Região Nordeste;
  • Aquiles, com senso agudo de organização e gerência, foi também empresário do grupo entre 1988 e 1990, um período muito fértil para o MPB-4. Em 1990, foi montado o espetáculo "Niterói, Niterói", em que o grupo cantava em uma das barcas de Niterói;
  • Miltinho é o integrante com maior referência musical. Possui boa habilidade com o violão e com os arranjos vocais e instrumentais. Compôs inúmeras músicas em parceria com Alceu ValençaChico BuarqueMaurício TapajósPaulo César Pinheiro e Magro, entre outros.
  • Aquiles enveredou para o caminho das letras, ao escrever as críticas músicais de álbuns recém-lançados de outros artistas para diversos jornais de grande circulação. Os textos são caracterizados por uma linguagem técnica profunda, além de grande sensibilidade artística. Além disso, em 2004, lançou seu livro, o Gogó de Aquiles, pela editora A Girafa;
  • Magro revelou-se um erudito em música ao apresentar seu programa Vozes da Música, cujo link encontra-se no sítio ofícial do MPB-4;

terça-feira, 26 de junho de 2012

Caetano Veloso-Sim/Não (letra e vídeo)


No badauê (badauê)
Vira menina, macumba, beleza, escravidão
No badauê (badauê)
Toda grandeza da vida no sim/não
No Zanzibar (Zanzibar)
Essa menina bonita botou amor em mim
No Zanzibar (Zanzibar)
Os orixás acenaram com o não/sim
Afoxé, jeje, nagô
Viva a princesa menina, uma estrela
Riqueza primeira de Salvador
No ylê, ayê (ylê ayê)
Uma menina fugindo beleza amor em vão
No ylê, ayê (ylê ayê)
Toda tristeza do mundo no não/não
No badauê (badauê)
Gira princesa, primeira beleza, amor em mim
No badauê (badauê)
Os orixás nos saudaram com o sim/sim
Afoxé, jeje, nagô
Viva a princesa menina, uma estrela
Riqueza primeira de Salvador