quarta-feira, 27 de maio de 2015

Vania Abreu - (BIOGRAFIA)


Vania Mercuri de Almeida conhecida como Vania Abreu (Salvador, 30 de maio de 1967) é uma cantora brasileira de MPB. Primeiro CD de Vania Abreu, cantora baiana que é irmã de Daniela Mercury, mas segue outro rumo musical.

Vânia começou a cantar em bares de Salvador ainda na adolescência. De 1987 a 1990 – Canta em bares da noite de Salvador.

Participa de festivais intercolegiais e ganha prêmios como melhor intérprete.




Profissionalizou-se em 1986, trabalha como backing-vocal de artistas como Gerônimo, Jorge Zarath, Netinho e Banda Cheiro de Amor. Trabalha em estúdios de gravação.

Fez faculdade de Pedagogia na Universidade Federal da Bahia, cursando até o terceiro ano, quando decidiu seguir a carreira de cantora.

1990 – Monta sua primeira banda, a Biss, e faz uma série de apresentações em projetos e pelo circuito de bares de Salvador.
1991 – Lança o 1º e único disco com a banda Biss, de título homônimo, pelo Selo Stallo (Bahia) Produção independente, distribuído pela gravadora Polygram, está fora de catálogo, sem distribuição nacional. Monta o primeiro show da banda, sob a direção do diretor teatral Paulo Atto e figurinos de Hamilton Lima.

1992 – Participa, com a música Leve-me, do disco da Biss, da compilação “O som tropical do Brasil” da Gravadora Som Livre.
1993 – Participa com a faixa Prazer da compilação “Axé Music” da Gravadora Polygram, também do disco da Biss.

Em 1994 Vânia cantou em trio elétrico no carnaval de Salvador, como vocalista da Banda Biss. 1994 – A banda Biss recebe o troféu Dodô & Osmar como banda revelação de 1993, após Vânia Abreu ganhar diversos prêmios como revelação e melhor cantora em carnavais fora de época em outros estados e cidades, a exemplo da Micarande (Micareta de Campina Grande).

Vânia se apresenta pela última vez com a Biss no carnaval, pelo bloco Pike. Inovando no visual modificado, banda e cantora vestem-se a cada apresentação fantasiados e produzidos com rigor nos detalhes.
A Banda fica careca e usa entre outras peças inusitadas, mini-saias; exibe ainda tatuagens pelo corpo todo.
Os figurinos são de Reinaldo Lourenço, Alexandre Hercovitch e Glória Coelho, misturados a peças de brechó e outras confeccionadas especialmente para a banda.

A direção é de Carlos Maltez e Caio Soares, responsáveis também pela mudança de visual de Vania, que troca seu cabelo longo pelo curto, marca registrada da carreira solo.

Passam despercebidos pela imprensa local, mas fecham com chave de ouro sua participação no carnaval da Bahia.

No mês de junho, na Feira dos Municípios, no Parque de Exposições em Salvador, acontece a última apresentação da Biss, sob a direção de Márcio Meirelles e participação de Virgínia Rodrigues.
"Em 1994, alguma coisa mudou. Percebi que tinha chegado em um lugar, sem muito pensar. O fato de residir numa cidade intimamente ligada a ritmos dançantes e às festas colaborou para um caminho profissional leve, ligado somente à dança."
A carreira com a Banda Biss tinha dado frutos, mas Vânia se sentia fazia, lhe faltava algo. Saiu da banda e desembarcou em São Paulo em março de 1995.
Em setembro do mesmo ano Vânia lança seu primeiro trabalho, produzido por Ary Sperling, no Rio de Janeiro, alcançando boa repercussão com seu canto doce, seguro e extremamente romântico.

1995 – Vania segue carreira-solo. Muda-se para São Paulo. Lança seu 1º CD pela gravadora Warner Continental. 28.04.08 Participa como convidada de shows de artistas seus contemporâneos, como Zeca Baleiro, Chico César, Jota Velloso, entre outros.

Participa de projeto, sob a direção do produtor musical Roberto Santana, com participação de Jota Velloso, Batatinha (ainda vivo então), Alexandre Leão e Jussara Silveira, na cidade de Salvador.

1996 - Faz estréia da carreira-solo em show pelo projeto “Terça da Boa Música”, no Teatro ACBEU em Salvador. Participa do “A gema do novo”, CD lançado pela Rádio Musical FM, que reúne os destaques musicais da nova MPB.
A canção “As quatro estações” passa a ser uma das músicas mais executadas nas rádios em São Paulo. Estréia show em temporada no Espaço Piccolo, em São Paulo, sob direção de Carlos Maltez e figurino de Eduardo Ferreira e Alexandre Hercovitch.
Apresenta-se com a cantora Clara Ghimmel em março de 1996, numa celebração das diferenças entre blues e MPB, com Vania cantando algumas canções em inglês e Clara em português.
1997 – Lança seu 2º CD, “Pra Mim”, pela gravadora Warner Continental. Estréia show no Tom Brasil, sob direção de Paulo Atto, cenário de Jacqueline Duncan, coordenação de figurino de Cristiane Mesquita e peças de Lino Villa Ventura.
Como artista convidada, participa do projeto-show
“Mulher eu sei”, idealizado por Chico César.
Realizado no Tom Brasil, em benefício da campanha de prevenção do câncer de mama, conta também com a participação de Elba Ramalho, Tetê Espíndola, Daniela Mercury e Badi Assad.

O Almanaque Abril 97 destaca Vania, Marisa Monte, Cássia Eller, Zélia Duncan e Adriana Calcanhoto como as “Grandes intérpretes da MPB nos anos 90”.

1998 – Pela primeira vez divide palco e show inteiro com a irmã, Daniela Mercury, no Memorial da América Latina, em São Paulo, no projeto “Verão Musical”.

Participa, com Chico César, Zeca Baleiro, Rita Ribeiro e Pedro Mariano, do projeto “São Paulo - Expresso 444”, em comemoração ao aniversário da cidade de São Paulo.
Apresenta-se ao lado do grupo Boca Livre, no Memorial da América Latina, pelo projeto “Inverno Musical”.
Participa, como convidada, do lançamento do CD “Diplomacia, a música de Batatinha”, com D. Ivone Lara, Roque Ferreira e Riachão, em São Paulo.
Idealiza, produz e participa do projeto “O que é que a Bahia também tem”, que inclui exposições de artistas plásticos baianos e venda de CDs e livros, oferecendo visão ampla da diversidade e pluralidade da arte baiana.
Neste projeto, apresenta-se ao lado de Roberto Mendes, Jota Velloso, Jorge Portugal e a Confraria da Bazófia.
1999 - Lança seu 3º CD, “Seio da Bahia”, gravadora Velas. Estréia show no Teatro Castro Alves, em Salvador.
A direção artística é da própria Vania, coordenação de figurino de Beth Prado e Sandro Barros, com peças exclusivas de Walter Rodrigues.

Participa do “Especial Eduardo Gudim”, gravado pela TV Cultura, junto de grandes nomes da música brasileira: Paulinho da Viola, Zélia Duncan, Elton Medeiros e Carrasqueira. Faz duas apresentações na concha Acústica do Teatro Castro Alves ao lado de Daniela Mercury.

2000 – Apresenta-se com Marcelo Quintanilha no projeto “Romeu & Julieta”, a convite do SESC Consolação, em São Paulo. Com o compositor Carlos Careqa, apresenta-se no SESC Pompéia, em São Paulo.
Participa do projeto “Mulheres”, idealizado e dirigido por Maria Bethânia, na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador, no Canecão, no Rio de Janeiro, e no Credicard Hall, em São Paulo. No Palco: Maria Bethânia convida: Vania Abreu, Belô Velloso, Jussara Silveira e Alcione.
2001 – Participa do projeto “Primeiro Pôr do Sol do Novo Século” com Daniela Mercury, Carla Visi e Gil, da Banda Beijo, no Farol da Barra, em Salvador.
Compõe o projeto “Mulheres de Março”, em homenagem ao mês das mulheres, no teatro Crowne Plaza, em São Paulo, com as cantoras Ceumar, Mona Gadelha, Klébi e outras.
2002 – Participa do projeto “Flores de Aço - mulheres que cantam e declamam”, no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo. Uma cantora, uma atriz e textos de uma escritora brasileira de grande importância compõem a fórmula deste projeto, que conta ainda com as cantoras Ná Ozzetti, Mônica Salmaso, Rosa Passos e Badi Assad; com as atrizes Marisa Orth, Guta Stresser, Vera Zimmermann, Letícia Sabatella e Denise Fraga; e as escritoras homenageadas são Clarice Lispector, Cecília Meirelles, Adélia Prado, Hilda Hilst e Alice Ruiz. Apresenta, ao lado de Marcelo Quintanilha, na cidade de Salvador, pelo projeto “Terça da Boa Música”, nova montagem intitulada João e Maria.

2003 – Participa como convidada, do show da cantora Belô Velloso, no Teatro do Sesi, Rio de Janeiro. Pré-estréia, no Teatro Castro Alves, Salvador, seu 4º CD, “Eu Sou a Multidão”. Encerra o ano em Salvador, no Farol da Barra, ao lado de Toquinho, num show para mais de 100.000 pessoas, transmitido para todo Brasil pela Rede Bandeirantes de Televisão.
2004 – Lança seu 4º CD, “Eu sou a Multidão”. Inicia turnê do 4º CD. Apresenta-se ao lado de Ivan Lins no projeto “Sua nota é um show”, na Concha Acústica, em Salvador. Participa do Lançamento do CD “Não sou filho de ninguém” do cantor e compositor Carlos Careqa, em SP.
Apresenta-se na “Semana Cultural da Bahia”, nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. Em dezembro de 2004, encerra o ano apresentando-se no projeto “Disco de Cabeceira”, no SESC Consolação, em São Paulo.
2005 - Apresenta-se ao lado de João Bosco no Teatro Castro Alves, Salvador, no projeto “Acústico TCA”. No SESC-SP, em homenagem ao Dia internacional das Mulheres, apresenta-se junto às cantoras Belô Velloso e Jussara Silveira, onde cada qual homenageia uma cantora brasileira.
Belô Velloso interpreta, neste show, Adriana Calcanhoto; Jussara Silveira interpreta Gal Costa e Vania Abreu, Maria Bethânia.
2006 - Lançamento do CD e Show “Pierrot e Colombina” (selo 'YB'- SP), de Vania Abreu (5º Cd de Carreira) e Marcelo Quintanilha. É um 'conto de Carnaval'.

Os famosos e clássicos personagens carnavalescos, que dão nome ao CD, são citados explicitamente em algumas das canções, um 'álbum de referência' do carnaval.

A disposição dos temas obedece à ordem cronológica das etapas do reinado de Momo: a espera apaixonada e ansiosa dos foliões - que a antecede - seguida dos encontros e desencontros dos pares, durante os quatro dias, e a saudade que se inicia já na quarta feira de cinzas. Lançamento de novo Show/Tour: “O Que Foi Feito de nós”.

2007 – Lançamento do CD “ Misteriosa Dona Esperança”. O 6º CD de carreira. Participa do CD “2º Tempo” do cantor e compositor Péri em SP e do CD “Pandeirando” de Emerson Taquari. Apresenta-se no mês de Novembro no SESC Pompéia em São Paulo, em projeto único junto à Max de Castro, Pedro Mariano, Zé Renato, Bruno Morais e banda Paralela, onde homenageiam Roberto Carlos.