sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Mateus Aleluia (BIOGRAFIA)

Natural de Cachoeira, Bahia, Mateus Aleluia é compositor de música popular brasileira, instrumentista e cantor, remanescente do grupo vocal ‘Os Tincoãs’, com discos registrados nas décadas de 70 e 80, sendo Mateus um dos condutores do perfil artístico ideológico do grupo.
Com o trabalho musical dos “Tincoãs”, constatou-se a influência africana por meio dos cantos e ritmos das senzalas e também nos seus momentos ritualísticos.
Os cantos oriundos de música sacra e do popular puseram dentro do entendimento espontâneo todo um sincretismo cultural religioso bem patente em algumas das suas obras registradas.
Este casamento de culturas ancestrais dentro de um trabalho musical conferiu ao grupo, por autoridades antropológicas, históricas, jornalísticas e musicais, a condição de reanimadores da ancestralidade musical afro-barroca, brasileira.
O trabalho de pesquisa implementado pelo grupo resultou num convite para apresentações em Angola, que culminou com a permanência de Mateus Aleluia naquele país.
De volta ao Brasil em 2002, estreou o musical “Opereta Sacro Profana”, gravada em especial pela TV Educadora/BA.
É um dos protagonistas do filme “O milagre do Candyal”, lançado recentemente na Espanha, onde contracena com Bebo Valdez (músico cubano) e interpreta, junto com Carlinhos Brown, a música “NZambi Mameto”, vencedora do prêmio GOYA da Espanha, como melhor canção. Participou como convidado especial do DVD Brasileira, de Margareth Meneze – Uma Homenagem ao Samba-Reggae, gravado na Concha Acústica do teatro Castro Aves, em 2006.
Participou de turnê internacional na Alemanha, em 2007, com o espetáculo “Palestra Musical Afro Barroco”, também gravado para a TV Educativa da Bahia e exibido em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra (2007).
Esse é um momento de retorno e re-apresentação do músico. Mateus Aleluia agora mostra sua rica obra individual, nutrindo profundo respeito pela memória e trabalho dos ex-parceiros, ainda transborda a mesma riqueza no cantar de sua ancestralidade.
A partir de uma base ritualística afro-barroca e indígena, pretende mexer com todos os códigos, éticas e valores que norteiam a cultura baiana, lançando em 2009 seu primeiro trabalho solo, o disco “Cinco Sentidos”, pelo selo baiano Garimpo Música.