terça-feira, 7 de novembro de 2017

A Turma da Pilantragem

A Turma da Pilantragem foi o nome de um grupo musical surgido no movimento cultural brasileiro denominado Pilantragem, em fins da década de 1960.
Segundo um de seus mentores, Carlos Imperial, pilantragem é a apoteose da irresponsabilidade consciente.
A Pilantragem nasceu como samba-jovem (já que fazia concessão ao uso da guitarra elétrica nos arranjos) num momento de grande efervescência cultural, quando a Jovem Guarda e a Tropicália agitavam a juventude brasileira. O movimento, idealizado por Carlos Imperial a pedido de Wilson Simonal, reuniu outros artistas como Cesar Camargo Mariano e Nonato Buzar. Este último formaria em 1968 o grupo conhecido como Turma da Pilantragem.
A principal característica musical da Pilantragem, definida por Imperial, era o samba tocado em compasso 4/4, inspirado no rock e no soul estadunidenses, particularmente nas gravações de Chris Montez feitas com o arranjador Herb Alpert do Tijuana Brass.Curiosamente, Buzar não acreditava que a ideia pudesse dar certo, e até ofereceu a sua parte na parceria de Carango, música composta com Imperial, por "100 contos".Imperial, contudo, conseguiu convencê-lo a não fazer isso. Finalmente, a música estourou nas paradas de sucesso e Buzar transformou-se num dos grande promotores e compositores do gênero, emplacando sucessos como Uni-du-ni-tê e Vesti azul.
Nesta época, Simonal era o apresentador do programa "Show Em Si… monal" na TV Record (o primeiro programa de TV apresentado exclusivamente por um negro no Brasil), e, segundo recorda Carlos Imperial, a palavra que mais surgia nas conversas entre eles e Cesar Camargo Mariano era "pilantragem". Decidiram então descartar a expressão "samba-jovem" e assumir a "pilantragem", a qual é oficialmente apresentada aos ouvintes na música Nem vem que não tem (letra de Imperial, arranjos de Mariano e voz de Simonal). Na abertura da mesma, o cantor declara: vamos voltar à Pilantragem.
Em 1968, o trio gravou um LP, Pilantrália com Carlos Imperial e a turma da pesada.
A Turma da Pilantragem:
Definitivamente convencido pela arrecadação dos direitos autorais de que a Pilantragem era, enfim, uma boa coisa, Nonato Buzar montou seu próprio grupo em 1968, A Turma da Pilantragem. Ao seu lado, Pedrinho Rodrigues, Cassiano, Edinho Trindade, Nelsinho da Mangueira, Alda Regina e Regininha, entre outros. O grupo lançou um LP homônimo em 1968 (A Turma da Pilantragem). Em 1969, após algumas trocas de componentes, o grupo gravou um segundo LP (também homônimo) e um A Turma da Pilantragem Internacional. Em 1970, o grupo se dissolveu.


Em 2009, Ed Motta lançou em seu álbum Piquenique uma faixa intitulada justamente "A Turma da Pilantragem", onde homenageia o gênero musical. A música, cantada em dueto com Maria Rita, foi composta por Motta.

Integrantes[editar:
Formação original (1968):
Pedrinho Rodrigues: saiu em 1969
Cassiano: saiu em 1969
Edinho Trindade: voz
Amaro: saiu em 1969
Camarão: voz
Alda Regina: saiu em 1969
Nelsinho da Mangueira: saiu em 1969
Rui Felipe: saiu em 1969
Regininha: voz
Nova formação (1969-70):
José Roberto Bertrami: piano
Alexandre Malheiros: baixo
Vitor Manga: bateria
Fredera: guitarra
Márcio Montarroyos: trompete
Ion: saxofone
Raul de Souza: trombone
Tartaruguinha: percussão
Dorinha Tapajós: voz
Málu Ballona: voz
Regininha: voz
Camarão: voz
Edinho Trindade: voz