quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Milton Nascimento e Selma Reis - Beco do Mota (vídeo e letra)

Clareira na noite, na noite
Procissão deserta, deserta
Nas portas da arquidiocese desse meu país

Profissão deserta, deserta
Homens e mulheres na noite
Homens e mulheres na noite desse meu país

Nessa praça, não me esqueço
E onde era novo fez-se o velho
Colonial vazio
Nessas tardes, não me esqueço
E onde era vivo fez-se o morto
Aviso pedra fria
Acabaram com o beco, mais ninguém lá vai morar
Cheio de lembranças vem o povo
Do fundo escuro beco
Nessa clara praça se dissolver
Pedra, pedra, ponte, muro
E um som cortando a noite escura
Colonial vazia
Pelas sombras da cidade
Um hino de estranha romaria
Lamento água viva
Acabaram com o beco, mais ninguém lá vai morar
Cheio de lembranças vem o povo
Do fundo escuro beco
Nessa clara praça se dissolver

Profissão deserta, deserta
Homens e mulheres na noite
Homens e mulheres na noite desse meu país

Na porta do beco estamos
Procissão deserta, deserta
Nas portas da arquidiocese desse meu país

Diamantina é o beco do mota
Minas é o beco do mota
Brasil é beco do mota
Viva meu país