terça-feira, 17 de abril de 2018

Filipe Catto - Iris e arco (vídeo e letra)

Hoje vou descansar, o corpo da ilusão
Feito estrada aberta e céu de quase intenção
A roupa que ser quer, veste o que é vastidão
No cetim da tarde já é tarde no chão
Do corpo, ilusão

Tenho as coisas na mão
Mas nunca quis celebração
Nem verso, nem verão
Nem, não
Só as cores que estão

Dentro da gota de nada
Que pode tudo querer
Cor de ventar a água
Quando chorar quer nascer

E andar na face espantada
Com a imagem que se verter
E se for minha a mágoa
E se for como se perder

No corpo, ilusão
Tenho dúvida então
Nunca vou despertar
Nem nunca vou cansar
Nem nunca, iludir

Para ser segredo eu nunca vou me vestir
Dou- me meu corpo são
Como quem quer partir
Empunhei o arco para a iris ferir