domingo, 2 de agosto de 2015

Elomar - Incelença para uma terra que o sol matou

Levanto meus olhos
Pela terra seca
Só vejo a tristeza
Qui disolação
E u'a assada branca
Fulorano o chão

E o passu-Rei, rei do manja
Deu bença à Morte pra avisa
Prus urubu de otros lugá
Qui vince logo pra janta
Do Rei do Fogo e do lũá

Do lũá sizudo
Do Ri Gavião
Mais o sol malvado
Quemô so imbuzero
Os bode e os carneros
Toda a criação
Tudo o sol quemô

É qui tão as era
Já muito alcançada
A palavra vea
Reza qui havéra
De chegá um tempo
Só de perdedera

Qui só havéra de iscapá
Burro criolo e criação
Qui pra cumê levanta as mão
E qui um irmão pra otro irmão
Saudava c'essa pregação

Lembra qui a morte
Te ispera meu irmão
E o sol da má sorte
Rei da tribusana
Popô sussarana
Carcará ladrão
Isso o sol popô

Mais num há de sê nada
Na função das besta
Purriba da festa
Pirigrina a fé
Sei que ainda resta
Cururu-têtê


Na minha casa hai um silenço
A tuia pura e o surrão penso
O meu cachorro amigo menso
Deitô no chão ficô in silenço
E nunca mais se alevanto

Inté os olhos d'água
Chorô qui seco
E o sol dessas mágua
Quemô so imbuzero
Os bode e os carneros
Toda a criação
Tudo o sol quemô
No Ri Gavião
Tudo o sol quemô
Toda a criação

sábado, 1 de agosto de 2015

Milton Nascimento - Três Pontas (vídeo e letra)

(O trem ... o trem ... o trem ...)


Anda, minha gente
Vem depressa, na Estação,
Pra ver o trem
Chegar

E Dia de festa
E a Cidade se enfeita para Ver
O trem

Quem é bravo, manso FICA
Quem é triste, se alegra
E Olha o trem

Velho, moço e Criança
Todo Mundo VEM Correndo
Para ver

Rever Gente que Partiu
Pensando Um Dia em voltar
Enfim, voltou
No trem

E voltou Contando Histórias
De Uma terra Tão distante do mar
Vem trazendo Esperança parágrafo Quem Quer
Nessa terra se Encontrar

E o trem ...

Gente se abrançando
Gente rindo

Alegria that Chegou
No trem

(O trem ... o trem ... o trem ... o trem ...)

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Maysa - Hino ao amor (vídeo e letra)

Se o azul do céu escurecer
E a alegria na terra fenecer
Não importa, querido
Viverei do nosso amor

Se tu és o sonho dos dias meus
Se os meus beijos sempre foram teus
Não importa, querido
O amargor das dores desta vida

Um punhado de estrelas no infinito irei buscar
E a teus pés esparramar
Não importa os amigos, risos, crenças de castigos
Quero apenas te adorar

Se o destino então nos separar
Se distante a morte te encontrar
Não importa, querido
Porque morrerei também

Um punhado de estrelas no infinito irei buscar
E a teus pés esparramar
Não importa os amigos, risos, crenças de castigos
Quero apenas te adorar

Quando enfim a vida terminar
E dos sonhos nada mais restar
Num milagre supremo
Deus fará no céu te encontrar

terça-feira, 28 de julho de 2015

Sidney Miller (BIOGRAFIA)

O carioca de Santa Teresa Sidney Miller despontou Como compositor brasileiro não Durante musical Cenário um DÉCADA DE 1960, e Assim Como os Outros artistas that also estavam começando Participou com destaque em Algum Diversos festivais de música, Bastante populares Nesse Período. Cursou Sociologia e Economia, porem sem concluir Nenhum dos cursos.
Nenhuma Início da Carreira Chegou a Ser comparado com o also estreante Chico Buarque, Uma Vez Que tinham em Comum, Além da timidez, uma temática urbana e hum especial cuidado na Construção das Letras. Além Disso, a cantora Nara Leão, Famosa POR Revelar Novos Compositores, importancia grande Teve na estreia dos Dois - Gravando inclusive, EM 1967, O disco Vento de Maio, não qua dividiam Quase Todo o Repertório: Chico Buarque Assinou 4 Canções, enquanto Sidney Miller era o autor de cinco Otras. O Primeiro registro Importante Como compositor foi em 1965 no I Festival de Música Popular Brasileira da TV Excelsior (SP), obtendo o 4º lugar com uma música Queixa, Composta em Parceria com Paulo Thiago e Zé Keti, interpretada POR Cyro Monteiro. Em 1967 cabelo Famoso selo Elenco de Aloísio de Oliveira lançou O Primeiro disco, na qua se Destaca POR re-trabalhar Há temas populares e cantigas de roda Como O Circo, Passa Passa Gavião, Marré-de-Cy e Menina da Agulha. Sidney Miller Compos juntamente com Théo de Barros, Caetano Veloso e Gilberto Gil Trilha sonora de um parágrafo um PEÇA Arena conta Tiradentes, dos dramaturgos Augusto Boal um e Gianfrancesco Guarnieri. Nesse MESMO ano, Ao lado de Nara Leão interpretou uma música A Estrada EO Violeiro nenhuma III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record (SP), Conquistando o premio de Melhor letra. Em 1968, also cabelo selo Elenco lançou o Lp Brasil, fazer Guarani Ao Guaraná, that Contou com Participações Especiais como de Diversos artistas Como Paulinho da Viola, Gal Costa, Nara Leão, MPB-4, Gracinha Leporace, Jards Macalé, Entre Outros. O Maior destaque do disco ficou POR Conta toada Pois é, Pra Quê. A Partir de ENTÃO Sidney Miller intensificou uma Carreira na área de Produção. Juntamente com Paulo Afonso Grisolli organizou nenhuma Teatro Casa Grande (RJ) o espetáculo Sim, Nós TEMOS Braguinha, com o compositor João de Barro. Tambem com Grisolli, relançou a cantora Marlene, no show Carnavália, Que fez Bastante Sucesso. Em 1969 produziu e CRIOU OS Arranjos fazer Lp de Nara Leão Coisas do Mundo. AINDA em 69, Ao lado de Paulo Afonso Grisolli, Tite de Lemos, Luís Carlos Maciel, Sueli Costa, Marcos Flaksmann e Marlene organizou o espetáculo Alice no país do Divino Maravilhoso, Além de compor uma Trilha sonora do Filme Os Senhores da Terra, fazer cineasta Paulo Thiago. Cinema parágrafo tambem, Sidney Miller foi o autor da Trilha dos filmes Vida de Artista (1971) e Ovelha Negra (1974), Ambos dirigidos POR Haroldo Marinho Barbosa. Sidney Miller foi autor da Trilha sonora das Peças Por éguas Nunca dantes navegados (1972), de Orlando Miranda, na qua musicou Alguns sonetos de Camões, e do espetáculo A torre em um concurso (1974), de Joaquim Manuel de Macedo. Em 1974 lançou Pela Som Livre O Último disco de Carreira o Lp Línguas de Fogo.

Nos Últimos Anos de vida, Sidney Miller estava afastado do circuito comercial. Tinha Planos de voltar a gravar, ágora de forma Independente, um LP Que se chamaria Longo Circuito. Trabalhava na Funarte, Quando faleceu apos se suicidar. Um em sala that trabalhava Passou um se Chamar Sala Funarte Sidney Miller e foi transformada num teatro.

(Texto de Hermínio Bello de Carvalho)
Era uma intenção de Sidney Miller Partir parágrafo Uma Produção Independente, JA Que o circuito comercial fizeram-LHE Ouvidos Mouçós. E se organizou parágrafo isso: Compos Novas Canções, selecionou algumas antigaz, listou Os Músicos that participariam do Trabalho e elaborou Uma cuidadosa sinopse fazer Lp, Que se chamaria  Longo Circuito 
Sidney Partiu sem concretizar Seu Projeto, logotipo ELE that construíra Tantos Outros Espaços parágrafo OS! E ficou em nos o Compromisso de resgatar algumas das ideias that esboçara. Convocamos Maurício Tapajós, seu amigo e Parceiro, Que fez hum Paciente Trabalho de Recuperação de fitas Alguns that registravam Uma rara Apresentação na Sala Funarte de Brasília (tinha pavor de palcos) E em meu Programa Água Viva na TVE. Paulo Afonso Grisolli Trouxe-nsa Fitas com temas inéditos, e foi em material de Cima Desse that Maurício montou O Que seria hum disco-document. Mas era Pouco, sentíamo-nsa Tratando de Sidney Uma forma that TALVEZ o desgostasse. O Antonio Adolfo, that com ELE produziria o Longo Circuito , foi Chamado Para dar Corpo a UMA ideia nova, um de se traçar O Retrato Desse criador Tão Importante. O resultado ESTÁ aí. O disco Sidney Como o idealizara Só de ele poderia faze-lo. Mas o carinho e obstinação that despejamos Neste Trabalho e A Melhor Prova do Respeito Que guardamos Ao Seu imenso talento e Enorme Integridade Artística, Reservas indestrutíveis that Seu desaparecimento NÃO apagou.   
E NÓS E Pará hum Privilégio ter, homenageando Sidney, Três raras Vozes de Nossa Música: Zezé Gonzaga, Zéluiz e Alaíde Costa. E Ele, eu sei, ficaria Bastante feliz com ESSA ESCOLHA.

domingo, 26 de julho de 2015

Fagner - Asas (vídeo e letra)

O QUE TEM este punhal de ave
São Como asas da Imaginação
A dor voa mas volta sempre
E Pousa no Coração meu

O QUE TEM este punhal de av ...

Voa gaivota leve, voa breve
Que o mar TEM Uma alma secreta
Que guarda a carne dos Peixes
E a solidão do poeta

Voa gaivota ...

Caetano Veloso - A rota do indivíduo (vídeo e letra)

Mera luz que invade a tarde cinzenta
E algumas folhas deitam sobre a estrada
O frio é o agasalho que esquenta
O coração gelado quando venta
Movendo a água abandonada
Restos de sonhos sobre um novo dia
Amores nos vagões, vagões nos trilhos
Parece que quem parte é a ferrovia
Que mesmo não te vendo te vigia
Como mãe, como mãe que dorme olhando os filhos
Com os olhos na estrada
E no mistério solitário da penugem
Vê-se a vida correndo, parada
Como se não existisse chegada
na tarde distante, ferrugem ou nada.