domingo, 16 de julho de 2017

Jane Duboc - Magia deste momento (vídeo e letra)


Desamarrei o sol lá da linha do horizonte
Pra esquentar e iluminar o meu abraço
Pedi ao vento que me relembrasse aquela música
Que você gostava tanto de cantar
Esfreguei na pele o leite perfumado das plantas
Adocei a boca dos favos e frutas que encontrei
E me vesti na espuma do mar
E me vesti na espuma do mar
Mas antes que essa sensação tão linda me largasse
De novo na cadeia deste apartamento
Resolvi fazer esta canção pra te contar
Da magia deste momento
Da magia deste momento
Desamarrei o sol lá da linha do horizonte
Pra esquentar e iluminar o meu abraço
Esfreguei na pele o leite perfumado das plantas
Adocei a boca dos favos e frutas que encontrei
E me vesti na espuma do mar
E me vesti na espuma do mar
Mas antes que essa sensação tão linda me largasse
De novo na cadeia deste apartamento
Resolvi fazer esta canção pra te contar
Da magia deste moemtno
Da magia deste momento
Desamarrei o sol lá da linha do horizonte
Pra esquentar e iluminar...

Lenine Guarani - Ponteio (vídeo e letra)


Era um, era dois, era cem
Era o mundo chegando e ninguém
Que soubesse que eu sou violeiro
Que me desse o amor ou dinheiro...
Era um, era dois, era cem
Vieram prá me perguntar:
"Ô voce, de onde vai
de onde vem?
Diga logo o que tem
Prá contar"...
Parado no meio do mundo
Senti chegar meu momento
Olhei pro mundo e nem via
Nem sombra, nem sol
Nem vento...
Quem me dera agora
Eu tivesse a viola
Prá cantar...(4x)
Prá cantar!
Era um dia, era claro
Quase meio
Era um canto falado
Sem ponteio
Violência, viola
Violeiro
Era morte redor
Mundo inteiro...
Era um dia, era claro
Quase meio
Tinha um que jurou
Me quebrar
Mas não lembro de dor
Nem receio
Só sabia das ondas do mar...
Jogaram a viola no mundo
Mas fui lá no fundo buscar
Se eu tomo a viola
Ponteio!
Meu canto não posso parar
Não!...
Quem me dera agora
Eu tivesse a viola
Prá cantar, prá cantar
Ponteio!...(4x)
Pontiarrrrrrrr!
Era um, era dois, era cem
Era um dia, era claro
Quase meio
Encerrar meu cantar
Já convém
Prometendo um novo ponteio
Certo dia que sei
Por inteiro
Eu espero não vá demorar
Esse dia estou certo que vem
Digo logo o que vim
Prá buscar
Correndo no meio do mundo
Não deixo a viola de lado
Vou ver o tempo mudado
E um novo lugar prá cantar...
Quem me dera agora
Eu tivesse a viola
Prá cantar
Ponteio!...(4x)
Lá, láia, láia, láia...
Lá, láia, láia, láia...
Lá, láia, láia, láia...
Quem me dera agora
Eu tivesse a viola
Prá cantar
Ponteio!...(4x)
Prá cantar
Pontiaaaaarrr!...(4x)
Quem me dera agora
Eu tivesse a viola
Prá Cantar!

Lenine Guarani - Hoje (vídeo e letra)


Hoje
Trago em meu corpo as marcas do meu tempo
Meu desespero, a vida num momento
A fossa, a fome, a flor, o fim do mundo
Hoje
Trago no olhar imagens distorcidas
Cores, viagens, mãos desconhecidas
Trazem a lua, a rua às minhas mãos
Mas hoje,
As minhas mãos enfraquecidas e vazias
Procuram nuas pelas luas, pelas ruas
Na solidão das noites frias por você
Hoje
Homens sem medo aportam no futuro
Eu tenho medo acordo e te procuro
Meu quarto escuro é inerte como a morte
Hoje
Homens de aço esperam da ciência
Eu desespero e abraço a tua ausência
Que é o que me resta, vivo em minha sorte
Sorte
Eu não queria a juventude assim perdida
Eu não queria andar morrendo pela vida
Eu não queria amar assim como eu te amei

Marcos Assumpção e Rolando Boldrim - Fado tropical (vídeo e letra)


Oh, musa do meu fado,
Oh, minha mãe gentil,
Te deixo consternado
No primeiro abril,
Mas não sê tão ingrata!
Não esquece quem te amou
E em tua densa mata
Se perdeu e se encontrou.
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal:
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal!
"Sabe, no fundo eu sou um sentimental. Todos nós herdamos no sangue lusitano uma boa dosagem de lirismo ( além da sífilis, é claro). Mesmo quando as minhas mãos estão ocupadas em torturar, esganar, trucidar, o meu coração fecha os olhos e sinceramente chora..."
Com avencas na caatinga,
Alecrins no canavial,
Licores na moringa:
Um vinho tropical.
E a linda mulata
Com rendas do alentejo
De quem numa bravata
Arrebata um beijo...
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal:
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal!
"Meu coração tem um sereno jeito
E as minhas mãos o golpe duro e presto,
De tal maneira que, depois de feito,
Desencontrado, eu mesmo me contesto.
Se trago as mãos distantes do meu peito
É que há distância entre intenção e gesto
E se o meu coração nas mãos estreito,
Me assombra a súbita impressão de incesto.
Quando me encontro no calor da luta
Ostento a aguda empunhadora à proa,
Mas meu peito se desabotoa.
E se a sentença se anuncia bruta
Mais que depressa a mão cega executa,
Pois que senão o coração perdoa".
Guitarras e sanfonas,
Jasmins, coqueiros, fontes,
Sardinhas, mandioca
Num suave azulejo
E o rio Amazonas
Que corre trás-os-montes
E numa pororoca
Deságua no Tejo...
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal:
Ainda vai tornar-se um império colonial!
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal:
Ainda vai tornar-se um império colonial!

sábado, 15 de julho de 2017

Milton Guedes - Você vai lembrar de mim (vídeo e letra)


Quando eu te vejo
Espero teu beijo
Não sinto vergonha
Apenas desejo
Minha boca encosta
Em tua boca que treme
Meus olhos eu fecho
Mas os teus estão abertos
Tudo bem se não deu certo
Eu achei que nós chegamos tão perto
Mas agora com certeza eu enxergo
Que no fim eu amei por nós dois
Mas você lembra!
Você vai lembrar de mim
Que o nosso amor valeu a pena
Lembra é o nosso final feliz
Você vai lembrar...
Você vai lembrar de mim.
Esse foi um beijo de despedida
Que se dá uma vez só na vida
Que explica, tudo sem brigas
E clareia o mais escuro dos dias
Tudo bem se não deu certo
Eu achei que nós chegamos tão perto
Mas agora com certeza eu enxergo
Que no fim eu amei por nós dois
Mas você lembra!
Você vai lembrar de mim
Que o nosso amor valeu a pena
Lembra é o nosso final feliz
Você vai lembrar...
Você vai lembrar de mim.

Mazinho Senos - Muro de Berlim (vídeo e letra)

Magoei, fiz chorar
Não pensei
No quanto eu podia te dar
Consegui destruir meu porvir
Foi pura vaidade vulgar
Mas, eu sei que viver é punhal
Um ser que está preso ao sofrer
Aprendi com o sol
Que sorrir é fato do tempo ensinar
Agora é pranto
Me diz não vá embora
Por favor
Observe, eu feri o nosso amor
Ergui entre nós um novo
Muro de Berlim
Sim...Vamos lá
Caminhar e poder
Mudar nossos laços de paz
Então
Então
Então
Então magoei, fiz chorar
Não pensei
No quanto eu podia te dar
 Consegui destruir meu porvir
 Foi pura vaidade vulgar

Mas, eu sei que viver é punhal
Um ser que está preso ao sofrer

Aprendi com o sol
Que sorrir é fato do tempo ensinar
Agora é pranto
Me diz não vá embora

Por favor
Observe, eu feri o nosso amor
Ergui entre nós um novo
Muro de Berlim

Sim...Vamos lá
Caminhar e poder
Mudar nossos laços de paz
Então
Então
Então...